O que é RFID na logística e suas vantagens

O que é RFID na logística

O ramo logístico é recheado de muitos conceitos, haja vista que se trata de um trabalho que exige muita perfeição. Mas você sabe o que é RFID na logística? Como funciona o leitor RFID? Esse é um conceito essencial, do qual todo mundo da área deveria ter conhecimento.

Afinal de contas, o intuito é sempre tornar a logística mais eficaz, ágil e rentável. Sendo assim, investir em inovações é algo fundamental, uma vez que acabam por estimular o desenvolvimento de todos equipamentos e também a metodologia de trabalho.

E uma das formas de promover tal característica é a tecnologia RFID. Mas você sabe exatamente o que é RFID na logística? A gestão logística deve levar em conta os elos da cadeia de suprimentos. É assim que o gestor será capaz de obter dados mais atuais sobre os níveis de estoque, por exemplo.

Ademais, é assim que será possível manter-se atualizado sobre a localização das cargas, durante o trajeto de cada entrega. Iremos falar sobre todos os demais detalhes no decorrer deste artigo.

O que é RFID na logística?

A primeira coisa que você deve saber sobre o que e rfid é para que serve é que a sigla provém do inglês “Radio Frequency Identification”, ou seja, “identificação por radiofrequência” Em suma, trata-se de um mecanismo que visa fornecer alguns meios para identificar, de forma individual, cada produto.

Ademais, ele também deve registrar as suas informações técnicas, além de também permitir o rastreamento. Dessa forma, na logística, o rfid surge com o objetivo também se torna uma ótima forma de controle de estoque, mas o seu funcionamento depende das seguintes questões:

  • Impressoras;
  • Etiquetas anexadas aos materiais;
  • Sistema de gestão para gerenciar os dados;
  • Antenas e leitores, os quais devem ser posicionados de forma estratégica.

As etiquetas RFID podem, quando fixadas nos insumos, registrar o número de série, modelo e os dados do fabricante. Isso quer dizer que é possível identificar a localização em tempo real de um determinado produto, por exemplo.

Ademais, o leitor é um outro instrumento presente, o qual é ideal para capturar os dados que são codificados pelas etiquetas. Sendo assim, ocorre a leitura, processamento e armazenamento, por intermédio do sistema que foi instalado.

RFID: vantagens e desvantagens

Quais são as vantagens da RFID?

Agora que você já sabe o que é RFID na logística, é possível que se questione a respeito das suas vantagens. Quanto a isso, a primeira coisa que não se pode deixar de falar é o melhor gerenciamento de materiais.

Afinal de contas, como cada produto se torna rastreável, acaba que se tem uma noção de todo o seu estoque e onde cada um está, por exemplo. Não há como negar o quanto a tecnologia pode ajudar nessas questões, pois deixa tudo ainda mais organizado.

Um dos grandes desafios do setor é a qualidade e agilidade de todos os produtos. Mas, por intermédio da implementação dessas tecnologias, as coisas se tornam um pouco mais fáceis.

Garantir a agilidade e a qualidade da entrega de produtos começa com o gerenciamento de materiais. Esse é um desafio do setor que pode ser superado com a implantação de tecnologias da informação. Fora isso, outras vantagens e exemplos de rfid que podemos citar, são as seguintes:

  • Rastreamento de itens;
  • Controlar as mercadorias em estoque;
  • Torna possível monitorar os ambientes;
  • Ajudar no funcionamento de sistemas antifurto;
  • Faz o controle de acesso em ambientes restritos;
  • Ajuda a contribuir nos sistemas de prevenção e falsificação.

Há desvantagem no uso do RFID na logística?

Não há como negar que todos os sistemas possuem seus pontos positivos e negativos. E, a fim de fazer com que você entenda melhor do assunto, é essencial considerar todos eles antes mesmo de adquirir.

Inclusive, para quem é gestor e está buscando por uma nova tecnologia, é essencial ter a sabedoria dos dois lados. Dessa forma, torna-se possível tomar uma decisão que se baseia em dados mais concretos. Por isso, dentre as principais desvantagens, podemos citar:

Gera a elevação dos custos

O principal ponto negativo do RFID é o alto custo de instalação e a manutenção. Se formos comparar com outras ferramentas, acaba tendo um valor bem mais elevado.

Ademais, deve-se considerar também a necessidade de montar uma estrutura adequada a fim de poder usar esse recurso.

Há variações no alcance das antenas

Outras informações sobre o RFID dizem respeito às variações no alcance das antenas. Para empresas que vendem muitos produtos, é preciso evitar ao máximo erros no registro de mercadorias que estão em estoque.

No entanto, a tecnologia RFID não isenta essa possibilidade. Inclusive, as chances de isso acontecer podem vir quando há utilização de materiais metálicos ou condutivos no local, que podem ocasionar em interferências no campo magnético.

Há diferença entre o RFID e o código de barras na logística?

Sim. O código de barras já é muito comum e antigo, haja vista que a sua criação remete a década de 1970, nos EUA. Trata-se de um conjunto de 13 dígitos, o qual é acompanhado de listras pretas e brancas, em diferentes espessuras.

Nesse caso, é preciso utilizá-lo em etiquetas e embalagens de produtos mais distintos, os quais podem registrar os seguintes dados:

  • Preço de venda;
  • Empresa que fabricou;
  • Descrição de cada produto.

Em contrapartida, a tecnologia RFID é mais atual, uma vez que utiliza um chip como forma de arquivar as informações pertinentes. E, para poder ler o código, não exige necessidade de contato entre leitor e etiqueta.

Sendo assim, tende a garantir mais agilidade na coleta de informações, além do fato de que a distância não vai representar um obstáculo. De fato, as suas funções são semelhantes, mas cada um tem finalidades diferentes.

Compartilhar este post: